Quase metade a menos de viajantes em De Lijn, um quinto a menos no NMBS e um terço a menos no STIB de Bruxelas. Os números dizem tudo. Mesmo com o retorno do dia a dia, todo mundo volta para a escola e o teletrabalho diminui: o uso do transporte público não segue. A confiança no trem, bonde, ônibus parece ter sumido. É hoje o conclusão do jornal flamengo Nieuwsblad.

Sob o lema #MoveSafe, o NMBS novamente deu as boas-vindas a todos os passageiros. A maioria se sente mais segura aos poucos, mas nem todos se atrevem a dar esse passo. O ávido usuário do trem sabe que às vezes há batuques entre os passageiros que querem sair e os garçons que querem embarcar. Mesmo que o transporte público não seja um viveiro móvel, ainda optamos pelo carro em massa.

aumento do número de viajantes

No início de setembro, o número de viajantes nos trens da empresa ferroviária NMBS e nos metrôs da empresa STIB de Bruxelas atingiu o nível mais alto desde o início da crise corona há cerca de um ano e meio. Isso fica evidente em uma pesquisa feita por Belga. Na semana passada, o NMBS registrou uma média de 78% do número de viajantes antes da crise durante a semana. "Essa é a maior porcentagem desde o início da crise da coroa", disse o porta-voz do NMBS Dimitri Temmerman. 

A STIB observa que o transporte público na capital ainda não pode ser totalmente utilizado para o deslocamento diário, em parte porque o teletrabalho ainda é recomendado. As faculdades e universidades ainda não foram inauguradas.

Leia também: Centro de mobilidade flamengo em mãos estrangeiras

serviço de ônibus De Lijn
Software Pitane
Imprimir amigável, PDF e e-mail