Largura do DVDP=

A polícia federal e local de Bruxelas e Ixelles pediu no fim de semana passado a proibição de manifestações de veículos motorizados na capital, que entrará em vigor à meia-noite e será aplicada pelo menos até as 08.00h de terça-feira. Os comboios também foram proibidos em Ghent até domingo, 20 de fevereiro. A polícia está colaborando com o Ministério Público. Foram feitos acordos sobre o monitoramento e o julgamento de possíveis crimes. Os potenciais infractores foram imediatamente intimados e, no caso das infracções mais graves, apresentados ao juiz de instrução, que poderia decidir expedir mandados de detenção.

demonstração

Os veículos tornaram-se só tolerado no estacionamento Heysel, o local da Expo de Bruxelas. O “comboio da liberdade” anunciou sua intenção de se manifestar na segunda-feira no centro de Bruxelas. Nenhum pedido de licença foi formalmente apresentado às autoridades locais. O comboio não foi, portanto, autorizado. O primeiro-ministro da região de Bruxelas-Capital Rudi Vervoort e o prefeito de Bruxelas Philippe Close também proibiram manifestações com veículos motorizados. 

A polícia federal monitora o trânsito em direção a Bruxelas. Ela entrará em contato inicialmente com os motoristas para explicar por meio de um flyer o que é e o que não é autorizado. Eles podem ser acompanhados pela polícia. Só então a polícia considerará a possibilidade de tomar medidas mais repressivas, inclusive por meio de verificações. Isso acontece, por exemplo, quando grupos de motoristas organizam bloqueios na rodovia ou seguem em direção ao centro.

Alguns dos autoproclamados "comboios da liberdade" que pararam em Paris na manhã de sábado seguiram para Bruxelas, onde sua manifestação marcada para segunda-feira foi proibida, mas a polícia permaneceu mobilizada para impedi-los de bloquear a capital.

punições pesadas

Além de possivelmente rebocar veículos, a obstrução maliciosa do trânsito pode ser punida com pena de prisão de até 10 anos, ou ainda mais se os fatos resultarem em incapacidade para o trabalho. Atos de rebelião contra a polícia têm pena de prisão de até 6 meses, até 10 anos em circunstâncias agravantes. Golpear um policial aumenta a pena máxima para um ano de prisão, que é acompanhada de uma multa de 2.400 euros. A pena de prisão pode ser de até 15 anos em circunstâncias agravantes, como premeditação.

Leia também: Volvo Trucks apresenta recurso de segurança

Os veículos só foram tolerados no estacionamento Heysel, o local da Brussels Expo.
Imprimir amigável, PDF e e-mail