Imagem Pitane

Em suma, as soluções de mobilidade nas cidades europeias são diversas e numerosas.

De trens e metrôs a bicicletas e patinetes elétricos, há muitas opções para atender às necessidades de cada viajante. Portanto, quer você esteja planejando uma escapadela de fim de semana ou uma longa viagem pela Europa, as opções de transporte são tão variadas quanto as próprias cidades. Do extremo norte à ensolarada costa sul, cada país oferece o seu próprio meio de transporte, cada um enfrentando os desafios da mobilidade moderna à sua maneira. A mobilidade como serviço (MaaS) tornou-se um tema importante na política de transportes europeia nos últimos anos. 

Cada país tem a sua própria abordagem a este conceito inovador, agrupando diferentes formas de transporte numa interface digital acessível e de fácil utilização. Começando na Escandinávia, a primeira coisa que se nota é a prevalência de veículos eléctricos, especialmente na Noruega. O país tem investido pesadamente em energia verde e isso se reflete nas ruas. Mesmo em áreas remotas existem muitas estações de carregamento. Suécia e Finlândia são os países dos trens. As ferrovias eficientes e confortáveis ​​são uma forma ideal de atravessar vastas paisagens.

original

Este é um excelente meio de transporte, especialmente na Finlândia, onde a rede ferroviária se estende muito acima do Círculo Polar Ártico. Na Finlândia, país de origem do termo MaaS, a abordagem é particularmente progressiva. Através do aplicativo “Capricho”Os usuários em Helsinque podem fazer uma assinatura que dá acesso a transporte público, táxis, aluguel de carros e até compartilhamento de bicicletas. A Finlândia serve frequentemente de modelo para outros países europeus que consideram a implementação de MaaS. A Suécia está acompanhando de perto uma plataforma semelhante, chamada “UbiGo“, que foi lançado em Gotemburgo e já está disponível em outras cidades. Centra-se na oferta de soluções de mobilidade flexíveis, incluindo transportes públicos e serviços de partilha de automóveis.

(O texto continua abaixo da foto)

Mais ao sul, na Alemanha, o carro ainda é rei, mas de forma sustentável. A Autobahn não é apenas conhecida pela falta de limites de velocidade, mas também pelos numerosos veículos híbridos e elétricos que podem ser encontrados lá. No entanto, o transporte público também é muito desenvolvido, com uma extensa rede de comboios e autocarros. A Alemanha é um país onde o MaaS está começando lentamente, mas o potencial é grande. Berlim lançou recentemente um projecto-piloto que combina transportes públicos, partilha de automóveis e partilha de bicicletas. Rhein-Main-Verkehrsverbund (RMV) lançou um aplicativo. O aplicativo móvel “RMVgo”é uma solução MaaS extensível com planejador de viagem, compra opcional de passagens e diversas informações de trânsito.

Rede de transporte

Com a alta qualidade e eficiência da rede de transporte público alemã, isto proporciona uma base sólida para um maior desenvolvimento do MaaS. Berlim, a capital e maior cidade da Alemanha, lançou recentemente um projecto piloto para Mobilidade como Serviço. Combina transporte público, compartilhamento de carros, compartilhamento de bicicletas e até compartilhamento de scooters em um único aplicativo fácil de usar. A cidade também investiu em autocarros eléctricos e pretende ter uma rede de autocarros totalmente eléctricos até 2030. Com a sua extensa rede de U-Bahn e S-Bahn, Berlim já oferece uma base sólida para o transporte urbano integrado.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto de : Pitane Blue - ponto de táxi em Munique

Munique, a capital da Baviera, está comprometida com a mobilidade verde. A cidade investiu em ônibus a hidrogênio e está fazendo experiências com veículos autônomos. Além disso, Munique está a trabalhar para expandir a sua rede cicloviária e promove ativamente a utilização da bicicleta como uma opção de transporte amiga do ambiente. Em Hamburgo vemos uma tendência semelhante. A cidade possui um sistema de transporte público inovador, incluindo um metrô bem desenvolvido, diversas linhas de ônibus e balsas que cruzam o Elba. Hamburgo é também uma das primeiras cidades alemãs a introduzir um programa de partilha de scooters em grande escala.

Frankfurt, um dos centros financeiros mais importantes da Europa, está a trabalhar arduamente para reduzir o tráfego automóvel no centro da cidade. A rede de transportes públicos está em expansão ativa e existem planos para reduzir o número de lugares de estacionamento na cidade para dar lugar a mais áreas verdes. Dusseldorf e Estugarda, embora mais pequenas em comparação com as outras cidades mencionadas, também estão a modernizar as suas infra-estruturas de transportes. Das expansões do metro à introdução de autocarros eléctricos, estas cidades compreendem a necessidade de fornecer opções de mobilidade sustentáveis ​​e eficientes aos seus residentes e visitantes.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto de : Pitane Blue - Grand Canal - Veneza
Pacote de calendário

Os países românicos, como França, Itália e Espanha, combinam antigas tradições com novas tecnologias. No labirinto veneziano de canais, pontes e vielas estreitas, a mobilidade é um desafio único. Embora a maioria das cidades esteja rapidamente a encher-se de carros, partilha de bicicletas e scooters eléctricas, Veneza continua a ser uma anomalia. A cidade parece imune aos modos de transporte tradicionais que caracterizam outras metrópoles, mas isso não significa que Veneza esteja atrasada em termos de mobilidade. 

Embora o MaaS ainda esteja na sua infância em Itália, foram feitos progressos significativos. Isto acontece também porque a Itália enfrenta problemas como o congestionamento do tráfego e a poluição atmosférica, que impulsionam a procura de soluções de transporte mais eficientes e sustentáveis. Roma, Nápoles, Milão. O caminho italiano para a mobilidade como serviço (MaaS) passa por este trio metropolitano vencedor do concurso governamental, desenvolvido no âmbito de projetos ligados ao Plano Nacional de Recuperação e Resiliência (NRRP). As três capitais serão verdadeiros laboratórios de testes de serviços MaaS.

Leia também  Viajantes marginalizados na nova era do NS Samenreiskorting

ônibus aquáticos

Os famosos Vaporettos, ônibus aquáticos que percorrem o Grande Canal e canais menores, são a espinha dorsal do transporte público em Veneza. Eles fornecem não apenas uma maneira cênica, mas também prática de ir do ponto A ao B. Nos últimos anos, a rede Vaporetto foi modernizada para ser mais acessível e amiga do ambiente, incluindo a introdução de barcos eléctricos. A cidade também está investindo em opções de mobilidade mais sustentáveis. 

O recente projecto “Venezia a piedi” (Veneza a Pé) incentiva tanto os residentes como os visitantes a caminhar. Para aqueles que desejam chegar ao continente, existem extensas ligações ferroviárias e rodoviárias que ligam Veneza a cidades como Pádua, Verona e destinos ainda mais distantes. A presença de uma estação ferroviária eficiente e bem conectada em Venezia Santa Lucia garante que Veneza não fique isolada do resto da Itália e da Europa.

Nos países românicos, a scooter é um fenômeno comum, que cria um cenário de rua animado. Mas não se esqueça da rede TGV em França, ou dos comboios de alta velocidade AVE em Espanha, que transportam turistas de cidade em cidade em tempo recorde. Nos países do sul da Europa, como Espanha e Itália, o MaaS ainda está numa fase relativamente inicial. No entanto, cidades como Barcelona e Roma estão a experimentar integrar diferentes modos de transporte numa única aplicação, muitas vezes em colaboração com fornecedores de transporte privados.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto: Pitane Blue - Citroën 2CV - Paris

Paris também se colocou no mapa com uma ampla gama de opções de transporte partilhado. De scooters elétricas a serviços de compartilhamento de bicicletas como o Vélib', a cidade oferece muitas alternativas ao transporte tradicional.

À sombra da Torre Eiffel e ao longo das margens do Sena, uma revolução silenciosa na mobilidade está a ocorrer em Paris. A capital francesa, outrora o epítome do romance com as suas ruas de paralelepípedos e avenidas clássicas, está a fazer grandes progressos na modernização da sua rede de transportes. Tudo isso com o objetivo de tornar a vida dos moradores e visitantes mais fácil e sustentável.

Revolução Francesa

No panorama da mobilidade francês, as aplicações MaaS (Mobilidade como Serviço) fizeram incursões impressionantes, desde a metrópole de Paris até à pitoresca Provença e mais além. A vasta gama de aplicações mostra que a França está a investir seriamente na melhoria da mobilidade urbana e intermunicipal. Tomemos por exemplo o Divia, um aplicativo que atende Dijon e permite que os cidadãos planejem sua viagem do início ao fim, incluindo a reserva de passagens. Ou Moovizy em Saint-Etienne, que oferece de tudo, desde transporte público tradicional até compartilhamento de bicicletas e até serviços de estacionamento. Em Paris, o Bonjour RATP é um aplicativo obrigatório, que não apenas informa os viajantes sobre os horários do metrô e dos ônibus, mas também sobre o compartilhamento de bicicletas e scooters.

Depois temos a Tac Mobilités em Grenoble e a Monapass em Marselha, que oferecem serviços de balcão único semelhantes, mas cada um com o seu toque local. Para viagens de longa distância, existe o SNCF Connect, que oferece todo o catálogo de serviços da companhia ferroviária nacional francesa em uma plataforma conveniente. A nível regional, aplicações como IDFM e Modalis facilitam a deslocação de passageiros e turistas pela Île-de-France e pela região de Nouvelle-Aquitaine. E não nos esqueçamos dos intervenientes emergentes como Yuwway, Urbi, Chipi e Migo, cada um à sua maneira a tentar resolver o puzzle da mobilidade através de soluções inovadoras que vão desde a partilha de boleias até aos transportes a pedido.

encanto

Na Europa Oriental, da Polónia à Roménia, as redes de transportes estão a desenvolver-se, mas têm o seu encanto próprio. Aqui você encontra trens noturnos, por exemplo, uma forma romântica e aventureira de percorrer grandes distâncias. Além disso, os Estados Bálticos são pioneiros na oferta de soluções digitais para os transportes públicos, como bilhetes eletrónicos e aplicações para informação em tempo real. Ainda existem poucas iniciativas de MaaS na Europa Oriental, mas o potencial de crescimento é significativo. 

Varsóvia, a capital da Polónia, é um bom exemplo disso. A cidade investiu pesadamente na modernização de suas redes de metrô e ônibus nos últimos anos. Além disso, as ciclovias estão a ser ampliadas e está a ser dada mais atenção às zonas favoráveis ​​aos peões. A partilha de bicicletas e scooters eléctricas também são cada vez mais vistas nas ruas da capital polaca, sinalizando uma mudança na forma como as pessoas se deslocam pela cidade. Bucareste, a maior cidade da Roménia, enfrenta há anos problemas com engarrafamentos e poluição atmosférica. No entanto, projectos recentes como a modernização da rede de transportes públicos e a introdução de “corredores verdes” para autocarros e bicicletas indicam que a cidade está a trabalhar seriamente na melhoria da sua mobilidade. Também aqui vemos o aumento dos carros partilhados e das scooters eléctricas como sinais de uma cultura de mobilidade em mudança. 

Em Praga, uma cidade mais conhecida pela sua arquitectura histórica, a importância das soluções de mobilidade modernas começa a ser reconhecida. A capital checa está a desenvolver novas linhas de metro e já introduziu várias plataformas de mobilidade como serviço (MaaS) para facilitar as viagens. Sófia, a capital da Bulgária, introduziu recentemente um sistema avançado de bilhética para os seus transportes públicos e adicionou novos autocarros ecológicos à sua frota. Além disso, há planos para melhorar a infraestrutura cicloviária da cidade, o que seria um grande avanço numa cidade onde o carro ainda é rei.

Leia também  Presidente Bertho Eckhardt enfatiza a importância da mobilidade ‘conectada’
(O texto continua abaixo da foto)
Foto de : Pitane Blue - Tube - Londres

Em Londres, o metro, também conhecido como 'Tube', é a espinha dorsal do transporte local. É rápido, frequente e conecta quase todos os cantos da cidade.

Porém, o metrô não é a única opção. Graças ao advento do aluguer de scooters eléctricas, agora é possível explorar os bairros históricos sem ficar preso no trânsito. O ciclismo em Londres passou por uma verdadeira metamorfose. O que antes era visto como um empreendimento arriscado numa cidade dominada por táxis de dois andares e táxis pretos é agora cada vez mais visto como uma alternativa viável e até recomendada ao transporte urbano. A Transport for London, entidade responsável pelos transportes na capital britânica, tem desempenhado um papel ativo na promoção da bicicleta como uma opção de mobilidade eficiente e verde.

biking

Uma iniciativa importante neste contexto é a introdução de 'Ciclovias Superestradas', ciclovias especiais que conectam partes importantes da cidade. Essas rotas foram projetadas para oferecer aos ciclistas uma passagem segura e rápida, longe do tráfego intenso de automóveis. Além disso, foram introduzidas numerosas ciclovias mais pequenas e “vias tranquilas” para melhorar a acessibilidade a zonas menos movimentadas. Há também o sistema de compartilhamento Santander Cycles, muitas vezes chamado carinhosamente de 'Boris Bikes' em homenagem ao ex-prefeito Boris Johnson. Este sistema disponibiliza bicicletas que podem ser recolhidas e deixadas em vários locais da cidade, proporcionando aos residentes e turistas uma forma fácil e económica de percorrer curtas distâncias.

As Ilhas Britânicas oferecem uma mistura de antigos e novos meios de transporte, desde os tradicionais autocarros de dois andares em Londres até aos modernos comboios e eléctricos em cidades como Edimburgo e Dublin. As conexões ferroviárias são extensas, mas muitas vezes também caras, por isso vale a pena reservar com antecedência. No Reino Unido, a abordagem MaaS é fragmentada. Embora existam algumas iniciativas em cidades como Birmingham e Manchester, ainda não existe uma estratégia nacional. Muitos deles ainda estão em fase experimental, mas apresentam resultados promissores em termos de adoção pelos usuários e redução do tráfego automóvel.

(O texto continua abaixo da foto)

A mobilidade é um tema cada vez mais proeminente nas diversas cidades e regiões da Europa. Cidades da Europa de Leste, como Varsóvia e Bucareste, estão a investir em sistemas de transportes mais modernos e sustentáveis, enquanto Londres está a viver uma revolução no ciclismo com novas ciclovias e sistemas de partilha de bicicletas. Os Países Baixos, com a sua cultura ciclística profundamente enraizada e a sua rede ferroviária eficiente, servem de exemplo de mobilidade integrada e sustentável. Dos transportes públicos tradicionais às plataformas digitais inovadoras, a Europa está em movimento para transformar a mobilidade do século XXI.

Falando em ciclistas, nenhuma viagem a Amsterdã estaria completa sem pelo menos considerar alugar uma bicicleta. A cidade está equipada com inúmeras ciclovias e estações de aluguer de bicicletas. Os turistas podem facilmente pegar uma bicicleta e passear pelos canais e pontes desta pitoresca cidade. A rede ferroviária holandesa, NS, facilita muito as viagens para outras cidades, como Utrecht ou Haarlem.

A Holanda é conhecida pela sua cultura de ciclismo. As ciclovias estão por toda parte, desde centros urbanos movimentados até vilas rurais. Na verdade, há mais bicicletas do que habitantes neste pequeno país europeu. A infra-estrutura foi concebida de tal forma que o ciclismo não só é seguro, mas também pode ser a forma mais rápida de percorrer distâncias curtas. Além dos meios de transporte convencionais, o conceito de Mobilidade como Serviço (MaaS) também está a decolar nos Países Baixos. Várias cidades estão a experimentar aplicações e serviços que integram uma gama de opções de transporte, desde transportes públicos até à partilha de bicicletas e carros, tudo gerido através de uma única interface digital.

Quer se trate de – Roterdão-Haia – os Zuidas (Amesterdão) – Utrecht Leidsche Rijn, Vleuten e De Meern – o município de Eindhoven, ASML, Brainport Smart Mobility – Twente – Limburg ou Groningen-Drenthe, o aplicação de MaaS não é fácil neste momento. Mesmo as vias navegáveis, profundamente enraizadas na história holandesa, não são esquecidas. Em cidades como Amesterdão e Roterdão existem serviços de ferry que são utilizados tanto funcionalmente como recreativamente, tornando a água uma parte integrante do mix de mobilidade. 

O que diferencia os Países Baixos é a sua abordagem à mobilidade. Não se trata apenas de ir do ponto A ao ponto B, mas também de como fazer isso da forma mais eficiente e sustentável, para todos. Com o governo, as comunidades e as empresas privadas a trabalharem em conjunto para criar soluções inovadoras, os Países Baixos servem de modelo de como um país pequeno pode pensar grande quando se trata de mobilidade.

Artigos relacionados:
Pacote de calendário
Imprimir amigável, PDF e e-mail