Imagem Pitane

O mundo da aviação prende a respiração enquanto dois aliados, os Países Baixos e os Estados Unidos, se preparam para conversações importantes que poderão moldar o futuro da mobilidade da aviação transatlântica.

O confronto entre os Estados Unidos e os Países Baixos sobre os direitos da aviação está a intensificar-se. No centro desta questão estão os escassos direitos de descolagem e aterragem em Schiphol, onde as companhias aéreas americanas são directamente afectadas pelas medidas holandesas. Este conflito expõe uma dinâmica complexa dentro da indústria da aviação internacional, com regulamentações e interesses competitivos em jogo.

acordos bilaterais

Em resumo, o sector da aviação está agora no limite Companhias Aéreas para a América (A4A), a associação comercial das principais companhias aéreas dos EUA, apresentou um pedido ao Departamento de Transportes (DOT) para adiar o processamento de um pedido de uma companhia aérea alemã. Este pedido surge de preocupações sobre o cumprimento de acordos bilaterais com os Países Baixos, especificamente dirigidos ao Aeroporto de Schiphol (AMS). 

A A4A sublinha que até que seja encontrada uma solução para as questões relacionadas com a AMS, os seus membros mantêm o direito de se oporem não só ao pedido atual, mas também a futuros pedidos de companhias aéreas da UE que pretendam expandir o seu tráfego aéreo para os EUA. A questão aprofundou-se porque a A4A informou o DOT sobre as consequências da redistribuição holandesa dos direitos de aterragem em Schiphol, na qual 339 slots foram retirados às companhias aéreas americanas. 

excluído

É surpreendente que a JetBlue, uma recém-chegada ao mercado transatlântico, tenha sido completamente excluída da atribuição de slots para a temporada de verão de 2024. Em resposta, o DOT deu provimento às reclamações da JetBlue e da A4A e exige agora que as companhias aéreas holandesas, incluindo KLM, disponibiliza seus horários de voos para atendimento ao público norte-americano no site do DOT. Esta medida poderia constituir a base para contramedidas, que poderiam, por exemplo, exigir que a KLM reduzisse os seus horários de voos para os EUA, em linha com as restrições impostas às transportadoras norte-americanas nos seus voos para a AMS.

Leia também  A KLM deve reembolsar milhares de milhões de corona agora que o tribunal europeu retira o apoio
(O texto continua abaixo da foto)
Foto: jetBlue Comunicações Corporativas

Numa perspectiva mais ampla, enfatiza DOT as suas preocupações sobre as ações do governo holandês, que parecem impedir novos participantes de operar em Schiphol. O fato de que JetBlue a não atribuição de slots para a temporada de 2024 é vista como uma grave restrição da concorrência e uma violação do acordo de aviação EUA-UE. O DOT vê o curso actual dos acontecimentos como uma violação deste acordo e, portanto, considera as reclamações justificadas.

horários de voo

Posteriormente, o departamento decidiu que KLMMartinair en TUI Airlines Holanda devem apresentar os seus horários de voo no prazo de sete dias após a decisão. Este desenvolvimento coloca ainda mais pressão sobre as discussões que terão lugar em 13 de novembro de 2023 entre o DOT, o governo holandês e a Comissão Europeia. O DOT espera que estas consultas conduzam a progressos substanciais e à resolução do conflito, e deseja evitar novas medidas regulamentares. No entanto, caso não seja alcançada uma resolução satisfatória, o DOT está preparado para considerar novas medidas.

Artigos relacionados:
NS
Imprimir amigável, PDF e e-mail