Imagem Pitane

Esta abordagem é uma resposta direta às críticas de que os voos privados contribuem desproporcionalmente para a poluição sonora e para as emissões de CO2, o que aumenta a pressão sobre o ambiente local.

O Aeroporto de Eindhoven, um aeroporto importante tanto para a aviação civil como para fins militares, está a dar um passo importante para tornar as suas operações mais sustentáveis ​​ao proibir voos privados fósseis a partir de 2026. O aeroporto centra-se na redução do ruído e das emissões de CO2, essenciais para o ambiente de vida local e em linha com os objetivos ambientais definidos. Com uma gama de mais de 80 destinos europeus, o Aeroporto de Eindhoven desempenha um papel crucial nas necessidades de mobilidade regional e está a trabalhar para um futuro sustentável, apoiando potenciais inovações na aviação elétrica.

Roel Hellemons, CEO do Aeroporto de Eindhoven, enfatiza a ambição não só de reduzir o ruído, mas também de reduzir significativamente as emissões de CO2 através de várias medidas, incluindo um limite no número de voos e uma transição para padrões baseados nos níveis de ruído. Fazem parte disso a implementação de procedimentos de decolagem com menor poluição sonora e a admissão exclusiva de aeronaves de última geração a partir de 2030. Estas medidas são ainda apoiadas por incentivos financeiros para a utilização de combustíveis sustentáveis.

A decisão do Aeroporto de Eindhoven de não permitir mais voos privados que consomem combustíveis fósseis a partir de 2026 é ainda apoiada por evidências de que estes voos têm, de facto, um impacto ambiental significativamente maior. As estatísticas falam por si: quem escolhe voos privados emite cinco a sete vezes mais CO2 do que se optasse por voos comerciais. Estes voos são frequentemente curtos, com quase um em cada nove a viajar menos de 250 quilómetros e mais de um terço a percorrer menos de 500 quilómetros. Isto leva a uma produção de emissões ineficiente, dada a curta distância em que são implantados.

Leia também  A caça ao dinheiro em Eindhoven causa transtornos aos residentes
(O texto continua abaixo da foto)
Cessna 680 no aeroporto de Eindhoven

A diferença nas emissões é claramente ilustrada pelo caso dos voos executivos, onde um voo a jacto privado para um destino próximo, como Paris ou Londres, pode emitir até 80% mais CO2 em comparação com um voo regular regular. O exemplo do jacto executivo da Shell, onde a maioria dos voos tem menos de 500 quilómetros, deixa claro que há muito espaço para melhorar a eficiência e reduzir o impacto ambiental.

poluição sonora

O GGD tomou a iniciativa de mapear com maior precisão o impacto do Aeroporto de Eindhoven no ambiente. O serviço de saúde faz isso distribuindo uma pesquisa entre os moradores da região. A seleção para o inquérito é aleatória, mas tendo em conta a distribuição geográfica, para que os resultados reflitam com precisão as experiências regionais. A pesquisa estará aberta para respostas até 19 de novembro, e o CDC incentiva qualquer pessoa que tenha sido contatada e ainda não tenha participado a fazê-lo.

A pesquisa entre os residentes próximos ao aeroporto oferece uma oportunidade para um melhor ambiente de vida e uma política de controle de ruído.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto: © Pitane Blue - pousando aeronave da Wizz Air no aeroporto de Eindhoven

O facto de o Aeroporto de Eindhoven ser um aeroporto militar que facilita a aviação civil acrescenta uma dimensão extra à sua formulação de políticas. A estrutura única de propriedade e gestão, com o Grupo Schiphol, a província de Brabante do Norte e o município de Eindhoven como partes interessadas, indica que o aeroporto tem uma responsabilidade conjunta que vai além dos interesses comerciais.

licença especial

O governo central desempenha um papel central na determinação das regras em torno dos aeroportos nacionais, incluindo o Aeroporto de Eindhoven. A aviação civil no Aeroporto de Eindhoven é regida por uma licença especial que utiliza a base aérea militar de Eindhoven, com o Grupo Schiphol, a província de Brabante do Norte e o município de Eindhoven atuando como acionistas. No contexto do Caso Piloto do Aeroporto de Eindhoven, procurou-se um equilíbrio entre o crescimento económico e o impacto ambiental, com o envolvimento das autoridades regionais, dos residentes locais, das organizações sociais e da comunidade empresarial.

Leia também  Esconde-esconde de dinheiro causa euforia e aborrecimento em Eindhoven

O ex-secretário de Estado Pieter van Geel liderou o caso de julgamento do aeroporto de Eindhoven. Van Geel aconselhou o Ministro das Infraestruturas e Gestão da Água em abril de 2019 sobre os resultados do projeto piloto. Leia o conselho Reconectado (PDF). Este conselho também foi levado em consideração Memorando de aviação 2020–2050. A iniciativa do Aeroporto de Eindhoven é vista como um campo de testes para o futuro da aviação holandesa, onde a sustentabilidade e o envolvimento regional andam de mãos dadas.

Artigos relacionados:
NS
Imprimir amigável, PDF e e-mail