Imagem Pitane

O plano para reduzir a poluição sonora em Schiphol no próximo ano foi cancelado. Organizações ambientais e da natureza, incluindo a Federação da Natureza e do Ambiente da Holanda do Norte, Natuur & Milieu, Milieudefensie e Greenpeace Holanda, expressaram a sua frustração e descrença relativamente ao encolhimento adiado de Schiphol numa declaração conjunta.

A recente decisão do Ministro das Infraestruturas, Mark Harbers, de suspender temporariamente o plano para limitar o número de movimentos de voos em Schiphol a 460.000 na próxima temporada de verão provocou uma onda de reações. Este desenvolvimento, anunciado num carta à Câmara dos Deputados, surge em meio à pressão crescente dos Estados Unidos e da Europa e marca um momento importante na discussão em torno da aviação, do meio ambiente e do ambiente de vida.

A resposta das organizações ambientais e da natureza é de raiva e descrença não filtradas. Organizações como a Federação da Natureza e do Ambiente da Holanda do Norte, Natuur & Milieu, Milieudefensie e Greenpeace Holanda expressam a sua frustração com o adiamento da redução de Schiphol. Chamam a decisão de “chocante”, destacando preocupações profundas sobre os impactos ambientais e a necessidade de desenvolvimentos sustentáveis ​​no sector da aviação.

A decisão também não foi bem recebida pelos moradores de Schiphol. Há anos que são confrontados com as consequências do intenso tráfego aéreo, como a poluição sonora e o impacto ambiental. O adiamento da redução, embora motivado por objecções legais, é visto como uma oportunidade perdida para tomar medidas concretas para reduzir este incómodo.

Na sua carta à Câmara dos Representantes, o Ministro Harbers reconhece a complexidade da situação e a decepção que o adiamento acarreta. Ele aponta as objeções legais como o motivo da suspensão, mas continua a enfatizar que o governo está determinado a restaurar o equilíbrio entre o aeroporto e a área circundante a longo prazo.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto de : Pitane Blue - Aeroporto Schiphol

A decisão do Ministro cessante das Infraestruturas, Mark Harbers, de adiar a contração de Schiphol conduziu a uma situação complexa em que as considerações ambientais, a pressão internacional e os interesses locais se conjugam. Este desenvolvimento, que parece ser uma resposta directa à pressão dos Estados Unidos e da União Europeia, provocou indignação tanto entre as organizações ambientais como entre as comunidades locais.

O Ministro Harbers reconhece a complexidade da situação e a decepção que o adiamento acarreta para as imediações de Schiphol. No entanto, sublinha que o governo continua empenhado em restaurar o equilíbrio entre o aeroporto e o seu ambiente de vida. Isto significa que, embora os planos imediatos de redução tenham sido suspensos, o objectivo a longo prazo de reduzir Schiphol para proteger a natureza, o clima e o ambiente de vida permanece intacto.

Leia também  Khadija Arib assume a direção do Conselho Social de Schiphol

Esta situação sublinha os desafios que o sector da aviação enfrenta, com o equilíbrio entre os interesses económicos, a responsabilidade ambiental e os interesses comunitários a desempenhar um papel cada vez mais central na elaboração de políticas. A decisão do gabinete cessante de suspender por enquanto os planos de redução pode ser vista como uma medida táctica num campo de jogo mais amplo, em que a pressão internacional, as considerações jurídicas e os interesses internos se cruzam.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto de : jetBlue

causa

Em 2 de novembro, o Departamento Americano de Transportes (USDOT) tomou uma decisão afirmando que os Países Baixos violação faria no Tratado de Céus Abertos UE-EUA. A decisão do USDOT pode ser vista como a primeira fase da reabilitação. Eles fazem isso confiando nas regulamentações de concorrência americanas. Numa segunda fase, poderão ser anunciadas contramedidas de maior alcance. 

preocupação

Os Estados Unidos manifestam especificamente a sua preocupação sobre a forma como os Países Baixos aplicam o procedimento da Abordagem Equilibrada na implementação da Decisão Schiphol, tanto na Fase 1 como na Fase 2. Esta abordagem, que se destina a encontrar um equilíbrio entre o crescimento da a aviação e os seus impactos ambientais não são considerados devidamente seguidos pelos EUA. Outro ponto de preocupação diz respeito ao acesso ao mercado para novos participantes no sector da aviação, uma preocupação que é parcialmente motivada pela imunidade antitruste concedido à joint venture Blue Skies.

Estas preocupações do lado dos EUA são ainda reforçadas por uma carta da Comissária Europeia Adina Vălean, recebida em 13 de Novembro. Esta carta expressa sérias preocupações sobre a abordagem holandesa na Fase 1 da Decisão Schiphol e o não cumprimento da Abordagem Equilibrada. A Comissão Europeia reserva-se o direito de iniciar processos de infração devido a um possível conflito com a legislação da UE. O governo holandês é chamado a considerar todas as medidas possíveis para agir em conformidade com a legislação da UE.

Leia também  Khadija Arib assume a direção do Conselho Social de Schiphol

reconsiderar

Estes desenvolvimentos indicam uma pressão internacional considerável sobre os Países Baixos para reconsiderar a sua política em relação a Schiphol. As críticas tanto dos Estados Unidos como da União Europeia sublinham a necessidade de os Países Baixos respeitarem os acordos e directrizes internacionais, especialmente no que diz respeito à aviação, ao ambiente e ao acesso ao mercado.

Artigos relacionados:
PACOTE INICIAL
Imprimir amigável, PDF e e-mail