Imagem Pitane

Embora a transição para veículos eléctricos seja crucial na luta contra as alterações climáticas, é também importante que esta transição não ocorra à custa dos mais vulneráveis.

Na indústria de automóveis elétricos em rápido crescimento, a procura por baterias aumentou exponencialmente. Estas baterias requerem matérias-primas específicas como o cobalto, elemento crucial para a eficiência e durabilidade das baterias de iões de lítio. Uma parte significativa do fornecimento mundial de cobalto provém da República Democrática do Congo (RDC), onde Meldingen do trabalho infantil nas minas são alarmantes. A bateria média de um carro elétrico requer mais de 13 kg de cobalto.

De acordo com estudos de organizações de direitos humanos crianças, por vezes com apenas seis anos de idade, trabalham em condições perigosas nas minas de cobalto da RDC. Eles cavam túneis com ferramentas manuais, ficam expostos a substâncias tóxicas e correm alto risco de ferimentos graves. Estas práticas não só violam as normas internacionais sobre o trabalho infantil, mas também colocam seriamente em perigo a saúde e a segurança destas crianças.

A Amnistia Internacional reconhece o importante papel das baterias recarregáveis ​​na transição energética dos combustíveis fósseis para os renováveis. Mas a justiça climática exige uma transição justa. Uma economia global sem combustíveis fósseis não deveria conduzir a mais violações dos direitos humanos.

(O texto continua abaixo da foto)

O Congo possui as maiores reservas de cobalto do mundo. Devido à crescente demanda por esses produtos, as minas do país estão sendo ampliadas rapidamente. Ao investir na educação, nos cuidados de saúde e noutros serviços sociais, as empresas mineiras e os governos podem ajudar a criar uma alternativa ao trabalho infantil.

Esta situação suscitou preocupações e pressões internacionais sobre os fabricantes de baterias e as empresas automóveis para verificarem as suas cadeias de abastecimento e garantirem que os seus produtos estão livres de trabalho infantil. Algumas empresas responderam investindo na rastreabilidade do seu fornecimento de cobalto e trabalhando com organizações empenhadas em melhorar as condições de trabalho nas minas.

Apesar destes esforços, os desafios permanecem. A mineração ilegal e a fraca regulamentação na RDC dificultam o controlo da cadeia de abastecimento. Além disso, a procura global de cobalto é tão elevada que eliminar completamente o cobalto de origem antiética da cadeia de abastecimento é uma tarefa complexa.

(O texto continua abaixo da foto)

A cooperação internacional também é crucial. Organizações como as Nações Unidas e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) desempenham um papel importante no estabelecimento de normas e no fornecimento de plataformas para governos e empresas partilharem melhores práticas e coordenarem esforços conjuntos.

Além do cobalto, outras matérias-primas como o lítio e o níquel são essenciais para a produção de baterias para carros elétricos. Existem também preocupações sobre o impacto ambiental e as condições de trabalho na extracção destas matérias-primas, embora a questão do trabalho infantil pareça ser menos proeminente do que com o cobalto.

Esta situação levanta questões sobre a responsabilidade ética dos fabricantes e consumidores. Embora a transição para veículos eléctricos seja crucial na luta contra as alterações climáticas, é também importante que esta transição não ocorra à custa dos mais vulneráveis. É essencial que a indústria e os consumidores conheçam a origem das matérias-primas utilizadas nestes produtos e exerçam pressão para garantir práticas éticas em toda a cadeia de abastecimento.

Artigos relacionados:
real
Imprimir amigável, PDF e e-mail