Imagem Pitane

O governo e os municípios locais são instados a tomar medidas.

Está a surgir uma tendência preocupante na cultura da vida nocturna actual: os jovens “bebem” em casa antes de sair à noite. Esta prática não só representa riscos para a saúde, mas também representa um perigo para a estrada. Isto leva a situações perturbadoras, especialmente em cidades onde a bicicleta é um meio de transporte popular.

Beber em casa não é novidade e é um fenômeno generalizado entre os jovens que faz parte da cultura jovem. A evolução económica recente teve um impacto directo no aumento, especialmente no preço da cerveja nos bares. Esses aumentos de preços também influenciam o comportamento de saída das pessoas. Uma análise dos aumentos de preços em diferentes cidades mostra que, em alguns casos, o preço de um copo de cerveja normal aumentou entre 10% e 15% em comparação com o ano passado.

pesquisa

Um estudo recente da Universidade de Amesterdão demonstrou que mais de 60% dos jovens entre os 16 e os 24 anos consomem regularmente álcool em casa antes de sair. As razões vão desde poupanças financeiras – as bebidas em discotecas e bares são muitas vezes caras – até à pressão social. No entanto, o que começa como uma preparação inocente para uma saída à noite pode rapidamente se transformar em um comportamento perigoso.

Os efeitos do álcool são claros e comprovados cientificamente: coordenação reduzida, tempo de reação mais lento e julgamento distorcido. Esses são fatores que podem ser fatais assim que os jovens sobem na bicicleta. A polícia relata um aumento no número de acidentes ao dirigir embriagado, especialmente no final da noite e no início da manhã.

(O texto continua abaixo da foto)

A mensagem é clara: absorver os “inocentes” em casa pode ter consequências graves.

O problema é agravado pelo facto de muitos jovens subestimarem os perigos do álcool. “Muitas vezes pensam que algumas bebidas não farão mal, mas a realidade é diferente”, diz Joris van Hoof, investigador da Universidade de Twente. “Já vemos um aumento significativo no comportamento de risco com níveis baixos de álcool no sangue.”

Esta tendência levou a apelos por uma aplicação e educação mais rigorosas. Algumas cidades já tomaram iniciativas, como a organização de campanhas de sensibilização e o aumento da presença policial nas áreas de entretenimento. Há também pedidos de mais informação nas escolas e na comunidade sobre os perigos do consumo de álcool, especialmente em combinação com o ciclismo.

Leia também  Jovens condutores ao volante de veículos pesados ​​estão num percurso perigoso

A mensagem é clara: absorver os “inocentes” em casa pode ter consequências graves. É essencial que os jovens tomem consciência dos riscos, não só para a sua própria saúde, mas também para a sua segurança na estrada.

Primeiro socorro

Os ciclistas bêbados constituem o maior grupo de pacientes após acidentes relacionados ao álcool. Dados recentes mostram que 60% dos acidentes envolvendo álcool envolvem ciclistas que caíram.

Médicos e enfermeiros nos serviços de emergência veem regularmente as consequências de tais comportamentos de risco. “Os ferimentos variam de escoriações leves a traumatismos cranianos graves”, disse um médico sênior de um hospital metropolitano. “É chocante ver quantas pessoas colocam a si mesmas e a outras pessoas em perigo ao andar de bicicleta enquanto estão bêbadas.”

O impacto desses acidentes vai além dos danos físicos. Além das consequências directas para a saúde, há também implicações sociais e económicas. A pressão sobre os cuidados de saúde, os custos do tratamento médico e as consequências mais amplas para a segurança rodoviária são significativas.

Estes números levam a apelos para uma aplicação mais rigorosa e mais campanhas de sensibilização. Organizações de segurança rodoviária, como a Veilig Verkeer Nederland, enfatizam a necessidade de educação sobre os perigos do álcool no trânsito, com foco específico nos ciclistas.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto: Pitane Blue - ambulância a caminho da ciclovia

Médicos e enfermeiros nos serviços de emergência veem regularmente as consequências de tais comportamentos de risco.

A combinação de álcool e ciclismo muitas vezes leva a histórias engraçadas e preocupantes. Na cultura ciclística holandesa, onde a bicicleta é um meio de transporte indispensável, tais aventuras não são difíceis de encontrar. Uma pesquisa em diversas cidades confirma isso: quase todo mundo tem uma anedota pessoal ou conhece alguém que já viveu tal aventura.

anedotas

As histórias variam de situações cômicas a situações às vezes perigosas. Tomemos, por exemplo, o clássico sobre o buraco invisível na estrada. “Pensei que poderia ziguezaguear entre os buracos, mas antes que percebesse, estava no meio deles”, diz um estudante de Utrecht, rindo de sua aventura noturna de bicicleta depois de uma festa.

Leia também  Jovens condutores ao volante de veículos pesados ​​estão num percurso perigoso

Ou a história da árvore “em movimento”. Uma jovem de Rotterdam lembra: “Juro por Deus, aquela árvore surgiu do nada. Tentei evitá-lo, mas já era tarde demais.” Felizmente, esta aventura terminou com alguns arranhões e uma marca em seu ego.

Essas anedotas, embora muitas vezes contadas com um sorriso, destacam um problema sério. O consumo de álcool afeta o julgamento e as habilidades motoras, aumentando os riscos no trânsito. A Polícia e o Trânsito Seguro da Holanda alertam regularmente sobre os perigos de dirigir alcoolizado, incluindo o ciclismo.

Esses avisos não são sem razão. Dados hospitalares mostram que um número significativo de acidentes de bicicleta durante a noite está relacionado ao uso de álcool. “É um problema que devemos levar a sério”, afirma um porta-voz da polícia de trânsito. “Um acidente é inevitável, especialmente se você bebeu.”

(O texto continua abaixo da foto)

Pesquisas recentes mostram que muitos menores podem comprar bebidas alcoólicas sem muita dificuldade.

Apesar dos regulamentos rigorosos e das campanhas de sensibilização, continua a ser surpreendentemente fácil para os menores nos Países Baixos obterem álcool. Isto aponta para uma lacuna entre a legislação e a realidade nas lojas e nos estabelecimentos de restauração.

lojas noturnas

De acordo com a lei holandesa, os vendedores são obrigados a solicitar prova de identificação caso tenham alguma dúvida sobre a idade do comprador. Pode ser uma carteira de identidade, carteira de motorista ou outro documento oficial. A lei é clara: é proibida a venda de bebidas alcoólicas a menores e o vendedor é sempre responsável caso esta regra seja violada.

Apesar destas regras claras, pesquisas recentes mostram que muitos menores podem comprar bebidas alcoólicas sem muita dificuldade. Em alguns casos, nem sequer é solicitada prova de identidade. Esta situação é preocupante não só pelos riscos diretos para a saúde dos jovens, mas também pelas consequências sociais mais amplas.

Artigos relacionados:
PACOTE INICIAL
Imprimir amigável, PDF e e-mail