Imprimir amigável, PDF e e-mail
Imagem Pitane

Numa declaração contundente, o político Bart Groothuis (VVD) denunciou as recentes decisões de empresas de transportes públicos, como a De Lijn, de fazer encomendas ao construtor chinês de autocarros BYD.

Groothuis, conhecido pela sua visão crítica das relações comerciais internacionais e da política de segurança, enfatiza a necessidade de ações direcionadas contra o que considera concorrência desleal e ameaças potenciais à segurança nacional e aos direitos de propriedade intelectual.

política de compras

Groothuis, ativo na identificação de desigualdades nas práticas comerciais internacionais, aponta a discrepância entre o tratamento de diferentes países no âmbito da política de compras europeia. Considera problemático que a legislação europeia não se destine especificamente a países como a China, que, segundo ele, utiliza uma abordagem completamente diferente da dos países europeus, por exemplo. O político critica a abordagem genérica da legislação atual, que não distingue entre países com intenções e práticas diferentes.

As preocupações de Groothuis estendem-se ainda aos riscos de segurança associados ao envolvimento de empresas chinesas nas infra-estruturas europeias. Ele enfatiza que a China, juntamente com vários outros países como a Rússia, o Irão e a Coreia do Norte, mantém programas activos de espionagem e tentativas de roubo de propriedade intelectual. Segundo ele, isso exige uma abordagem mais específica do que a atual legislação geral oferece.

Os argumentos de Groothuis também abordam a discussão mais ampla sobre o equilíbrio entre interesses comerciais e segurança nacional. O político aponta as relações comerciais significativas entre os países europeus e a China, como as exportações alemãs que ascendem a 96 mil milhões de euros anuais, como uma possível explicação para a relutância em tomar medidas rigorosas contra a China. Ele sugere que os interesses económicos por vezes superam as preocupações de segurança, conduzindo a políticas que são ineficazes na protecção contra os desafios únicos colocados por alguns países.

(O texto continua abaixo da foto)
Bart Groothuis
Foto: © Pitane Blue - Bart Groothuis (VVD)

Ao contrário de muitos dos seus colegas em Bruxelas, que muitas vezes têm experiência como primeiro-ministro, ministro ou secretário de Estado, especialmente de países da Europa de Leste, Groothuis sublinha que os Países Baixos têm uma abordagem diferente à sua representação na Europa. “Na Holanda temos uma tradição completamente diferente de lidar com a Europa. Para cá mandam alguém como eu”, brinca durante encontro em Bruxelas com uma delegação de Eindhoven Brainport.

A Europa encontra-se numa encruzilhada crucial, onde a prosperidade futura do continente depende cada vez mais da capacidade de manter e desenvolver as suas indústrias. Esta é a firme convicção de Bart Groothuis, membro do VVD, que, com a sua vasta experiência tanto em Bruxelas como em Estrasburgo, compreende as nuances da política europeia e sabe como navegar habilmente pelos interesses holandeses através do complexo panorama das instituições europeias.

Leia também  Europa: Malik Azmani defende melhores ligações ferroviárias e mais concorrência

cíber segurança

Groothuis, com uma experiência que o torna singularmente adequado para avaliar os desafios digitais e industriais do continente, sublinha o papel essencial que a cibersegurança desempenha na proteção da prosperidade europeia. As suas perspetivas baseiam-se não apenas no conhecimento teórico, mas também na realidade do atual cenário de ameaças que assola a Europa e a sua infraestrutura vital.

A União Europeia, com a sua rica história de facilitação do comércio, do intercâmbio cultural e da cooperação política, enfrenta agora um desafio sem precedentes: proteger as suas infra-estruturas críticas contra ataques cibernéticos. Estas ameaças digitais, muitas vezes invisíveis a olho nu, têm o potencial de perturbar gravemente o mundo físico em que vivemos. Groothuis sublinha que, apesar dos esforços significativos em matéria de cibersegurança, especialmente no sector das TI, a protecção dos sistemas operacionais – como energia, gás, electricidade e água – ainda é vulnerável.

(O texto continua abaixo da foto)
Bart Groothuis (VVD)
Foto: © Pitane Blue - Bart Groothuis (VVD)

A dinâmica entre a política nacional e a tomada de decisões europeias continua a ser um tema intrigante de discussão na arena política dos Países Baixos. Uma ilustração notável disto é uma declaração que recentemente circulou pelos corredores do Binnenhof: “Existe uma lei política férrea em Haia, e chama-se... Tudo o que dá certo, Haia faz. errado, Bruxelas."

Quando questionado sobre um número para avaliar o estado atual da segurança cibernética na Europa, Groothuis dá um cauteloso 6,5. Este valor reflecte uma situação em que se registaram progressos significativos, mas onde também se reconhece que ainda há um longo caminho a percorrer. “Há muito burburinho sobre segurança cibernética”, explica ele, “particularmente na área de TI, mas nossos sistemas da vida real… eles também estão seriamente ameaçados pela cibercriminologia”.

Leia também  Decepcionado: bicicleta de carga Cargoroo não é segura para netos

paixão

Bart Groothuis, um antigo estudante de história e economia com uma forte paixão por computadores e tecnologia, emergiu como um ator importante na cena política europeia, especialmente nas áreas de cibersegurança, transformação digital, defesa, geopolítica e tecnologia. Seu amor pelos computadores não é algo recente; isso remonta aos seus anos de faculdade. “Eu mesmo fiz os computadores da minha casa de estudante. Eu construí redes. Trabalhei em uma loja de informática. Não fiz nada além de computadores durante toda a minha vida. Isso é um amor por computadores. Mas isso não significa que você entende de computadores, que você é automaticamente um bom político”, reflete Groothuis sobre seu caminho único para a política.

(O texto continua abaixo da foto)
Berlaymont Bruxelas
Foto: © Pitane Blue - Berlaymont Bruxelas
SUBSCRIÇÃO
Artigos relacionados:
Lojas de aplicativos