Imprimir amigável, PDF e e-mail
Imagem Pitane

O debate sobre o futuro do setor dos táxis e dos transportes de saúde nos Países Baixos é complexo e multifacetado, com um apelo claro à inovação e à adaptação às novas circunstâncias.

Todas as semanas, mais de um milhão de pessoas nos Países Baixos entram em táxis e veículos de saúde, apoiadas por cerca de 27.000 empregados e 8.000 trabalhadores independentes. Este setor desempenha um papel crucial na mobilidade diária de muitas pessoas, desde viagens ao trabalho e à escola, transportes, consultas médicas ou atividades sociais. Com o transporte de saúde representando aproximadamente 75% do mercado total, e o restante consistindo em táxis regulares e empresariais, o impacto destes serviços na sociedade é significativo.

desafios

À luz dos recentes aumentos de preços – 7% em 2023 e 11 a 12% esperados em 2024 – e a pressão das plataformas de partilha de viagens, como Uber e Bolt, as empresas de táxi enfrentam grandes desafios. A procura de serviços de táxi no mercado de entrada é diversificada: o maior grupo de utilizadores são pessoas em visitas de negócios, seguidos por transportes relacionados com a educação e participantes em conferências. O menor número de viagens é feito para deslocamento ou compras.

Um ponto notável é a complexidade das questões dos clientes no grupo-alvo do transporte, o que coincide com a pressão sobre os orçamentos municipais e de saúde. Isto causa regularmente uma lacuna de conhecimento entre os fornecedores de transporte e os clientes e destaca a necessidade de inovação e digitalização. De acordo com a associação comercial KNV, há uma necessidade cada vez maior de sistemas mais inteligentes soluções de mobilidade que combinam perfeitamente diferentes tipos de transporte, algo conhecido como transporte integrado.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto: © Pitane Blue - Ponto de táxi na Estação Central de Eindhoven.

Em sua Visão de Futuro 2030 'Um elo indispensável', KNV Healthcare Transport and Taxi identifica tendências importantes que determinarão os rumos do setor. Flexibilidade e qualidade, foco no cliente e condições de trabalho agradáveis ​​são temas centrais. A associação comercial vê a necessidade de discussões a nível regional e nacional sobre um sector de táxis preparado para o futuro que contribua para uma acessibilidade acessível.

Leia também  ILT: Webinar KNV destaca o futuro das inspeções digitais na indústria de táxis

Estas conversas são ainda mais relevantes à luz de fatores sociais como o envelhecimento da população, que aumenta a procura de transportes de saúde e, ao mesmo tempo, pressiona a força de trabalho. Atrair novos talentos e melhorar as condições de emprego, especialmente no contexto da economia das plataformas e das discussões sobre o falso trabalho independente, são passos cruciais.

Apesar dos desafios, a abertura para partilhar dados e colaborar dentro do setor oferece oportunidades de inovação. Isto pode levar a serviços mais integrados que não só aumentam a eficiência, mas também estão mais focados nas necessidades dos utilizadores. No entanto, permanece a questão de saber como estas visões serão implementadas na prática e qual o papel que o governo e o sector privado desempenharão na definição de um cenário de mobilidade preparado para o futuro.

O debate sobre o futuro do setor dos táxis e dos transportes de saúde nos Países Baixos é complexo e multifacetado, com um apelo claro à inovação e à adaptação às novas circunstâncias. O que é certo é que este sector continua a ser um elo indispensável na mobilidade e acessibilidade de muitos holandeses.

SUBSCRIÇÃO
Artigos relacionados:
Pitane Palas