Imprimir amigável, PDF e e-mail
Imagem Pitane

A popularidade dos drones cria um espaço aéreo movimentado e a ILT está preocupada com isso.

A integração de drones no espaço aéreo holandês alcançou um crescimento sem precedentes nos últimos anos. Martijn de Goede, Inspetor Coordenador/Especialista da Inspeção do Meio Ambiente Humano e dos Transportes (ILT), conduziu pesquisas intensivas. Ele destaca os impressionantes avanços tecnológicos que a indústria dos drones realizou ao longo da última década, com os consumidores a poderem adquirir drones que proporcionam belas imagens por várias centenas de euros.

No entanto, a crescente popularidade dos drones coloca desafios significativos à segurança do espaço aéreo. Segundo De Goede, o maior problema é o desconhecimento da regulamentação entre os usuários de drones, principalmente particulares. “Muitas pessoas não estão suficientemente conscientes dos perigos. O perigo não é imediatamente perceptível para o próprio piloto do drone, pois ele está em segurança no solo. Mas um drone que inesperadamente se torna incontrolável e voa contra algo pode ter consequências graves se, por exemplo, cair sobre alguém”, explica Martijn.

“No passado, não havia muitos lugares onde se pudesse esperar aviação. Agora, cada pedra do pavimento é um aeroporto.”

A situação é ainda mais complicada pelo facto de os drones também voarem em alturas e rotas que lhes são proibidas, muitas vezes para desespero da aviação tripulada. Isto leva a potenciais conflitos com balões de ar quente, planadores e pára-quedistas, que não podem simplesmente fugir. A ILT está atualmente a investigar, juntamente com especialistas e partes interessadas, como melhorar o fornecimento de informações aos utilizadores de drones, um desafio dada a natureza fragmentada da comunidade de pilotos de drones.

Além dos desafios com os drones, o setor da aviação holandês também enfrenta outras questões importantes de segurança. Mais sobre esses desenvolvimentos podem ser encontrados no Estado da Aviação 2023. Por exemplo, a disponibilidade de pessoal qualificado é um problema persistente. A aviação holandesa cumpre requisitos internacionais rigorosos, mas a segurança está potencialmente sob pressão devido à persistente escassez de pessoal desde a crise do coronavírus, afirma o relatório. Esta escassez levou a um aumento da carga de trabalho e pode encorajar o erro humano, o que pode prejudicar ainda mais a segurança.

Leia também  Decepcionado: bicicleta de carga Cargoroo não é segura para netos

escassez permanente de pessoal

De acordo com um relatório de 2011 da Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO), prevê-se uma escassez global de 8.000 pilotos, 2.000 controladores de tráfego aéreo e 18.000 técnicos de manutenção até 2030, uma previsão que provavelmente se materializará dadas as tendências actuais. A indústria da aviação holandesa enfrenta uma grande concorrência no mercado de trabalho, especialmente no sector energético, devido à transição energética. O envelhecimento da população também desempenha um papel neste contexto, e o aumento da idade de reforma é visto como uma possível solução para combater a escassez.

A escassez é sentida em todos os níveis do sector, desde pilotos e controladores de tráfego aéreo até técnicos de manutenção e pessoal de terra. Esta situação deve-se em grande parte a uma combinação de factores: um número crescente de reformas, uma mudança geral no mercado de trabalho, com os trabalhadores a optarem por sectores com condições de emprego mais favoráveis, e um regresso lento do pessoal que deixou o sector durante a pandemia.

(O texto continua abaixo da foto)
Zangão

As consequências desta escassez de pessoal são multifacetadas. Uma consequência direta é o aumento da carga de trabalho do pessoal existente. A alta carga de trabalho pode levar à fadiga e à diminuição do estado de alerta, o que aumenta o risco de erro humano. Esta situação põe em perigo a cultura de segurança na aviação, pois aumenta a probabilidade de os procedimentos de segurança não serem totalmente cumpridos.

Na prática, as empresas de aviação são forçadas a fazer escolhas operacionais que podem afectar a segurança. Exemplos disso incluem o aumento do horário máximo de trabalho e a colocação de pessoal menos experiente em posições críticas. Também pode ocorrer atraso na manutenção e no treinamento, levando potencialmente à redução do desempenho operacional e a um maior risco de incidentes.

Leia também  Foco na qualidade: o grupo-alvo dos transportes receberá uma forte agenda de melhorias

caos

A escassez de pessoal também tem um impacto direto na prestação de serviços. Por exemplo, a escassez de pessoal no verão de 2022 levou a grandes atrasos e ao caos nos aeroportos europeus. As companhias aéreas e os aeroportos lutam para encontrar o equilíbrio entre manter a qualidade do serviço e garantir a segurança.

Para inverter a situação e fazer face à iminente escassez de pessoal, estão a ser consideradas diversas estratégias. O aumento da idade de reforma para determinados cargos, como pilotos e controladores de tráfego aéreo, é uma das medidas que já foram tomadas. Além disso, pretendemos atrair pessoal estrangeiro, especialmente de outros Estados-Membros da UE, para colmatar as carências. Isto é possível graças à harmonização dos requisitos de licenciamento na UE.

Esta escassez de pessoal e as medidas para a resolver são cruciais para a futura estabilidade e segurança da aviação nos Países Baixos. É essencial que o setor não se concentre apenas na satisfação das necessidades atuais, mas também planeie proativamente a longo prazo para garantir a continuidade e a segurança da aviação.

A ILT está a evoluir para a Autoridade da Aviação nos Países Baixos e centra-se na segurança e sustentabilidade da aviação. Nisso Estado da aviação Como supervisores, eles enviam sinais sobre o que veem na prática no seu trabalho.

SUBSCRIÇÃO
Artigos relacionados:
Lojas de aplicativos