Imprimir amigável, PDF e e-mail
Imagem Pitane

Durante o movimentado fim de semana de Ostende em Anchor, que atrai cerca de 200.000 visitantes à cidade todos os anos, várias empresas de táxi em Ostende param de funcionar.

O evento marítimo, que dura quatro dias, corre o risco de ser afetado por maiores tempos de espera pelos serviços de táxi. A greve é ​​uma resposta à falta de respeito e à má comunicação com a Câmara Municipal, segundo as empresas de táxi envolvidas.

Hassib Ghosi, um motorista de táxi de 25 anos da empresa de táxis Anker, expressou suas frustrações em um Verkaring para Het Nieuwsblad. “A última reunião foi há dois anos”, diz ele. Os motoristas exigem, entre outras coisas, um plano mais amplo para localidades mais próximas da estação, mas a comunicação com a cidade é difícil. “As coisas dão errado, principalmente na hora de solicitar licenças ou na hora de fazer alterações nas rotas durante os eventos. A polícia muitas vezes desconhece as mudanças, resultando em multas desnecessárias para nós.”

Além disso, Ghosi reclama de problemas técnicos no software do taxímetro, que geram multas por configurações incorretas. “Oostende é a única cidade onde os táxis não podem circular nas vias de bonde e ônibus. Isso dificulta muito o nosso trabalho”, acrescenta. Apesar de várias tentativas de diálogo com a Câmara Municipal, não foi encontrada uma solução. “Não temos escolha a não ser parar de trabalhar para enviar um sinal. Se não forem encontradas soluções, tomaremos medidas mais duras", conclui Ghosi.

Hina Bhatti, vereadora responsável do Open VLD, reagiu com surpresa à greve e às acusações. “Há de facto uma comunicação perfeita entre o meu gabinete e as empresas de táxi”, afirmou. “Todas as dúvidas do setor estão respondidas. Sei que houve insatisfação com os cargos temporários disponibilizados por Ostende em Anchor. Entramos em contato com o setor e foi marcada uma data de consulta no início de junho para ouvir as preocupações.”

(O texto continua abaixo da foto)
Marie-Joseplein
Foto: © Pitane Blue - A localização na Marie-Joséplein é muito pequena, o que significa que recebem multas regularmente.

A situação gerou muita inquietação entre taxistas e visitantes do evento. A Câmara Municipal afirma que já foi marcada uma data para a consulta, mas os motoristas afirmam que poucas medidas foram tomadas até agora. Os motoristas sublinham a necessidade de uma melhor cooperação e de uma maior compreensão por parte do município relativamente às suas condições de trabalho, especialmente durante eventos movimentados como Oostende voor Anker.

Uma das principais demandas dos taxistas é uma posição permanente mais próxima da estação, o que seria uma grande melhoria tanto para eles quanto para seus clientes. Além disso, pedem que os táxis sejam autorizados a circular nos corredores do eléctrico e dos autocarros, algo que é possível noutras cidades e que facilitaria consideravelmente o seu trabalho.

O conflito entre as empresas de táxi e a Câmara Municipal não parece ter sido resolvido por enquanto. Os taxistas deixaram claro que estão prontos para tomar novas medidas caso as suas exigências não sejam ouvidas. Entretanto, resta saber como a situação irá evoluir e que medidas a Câmara Municipal tomará para encontrar uma solução.

A greve surge num momento particularmente desfavorável, pois... Ostende ancorado um dos eventos mais importantes do ano para a cidade. O evento atrai milhares de visitantes de dentro e de fora da cidade, o que normalmente gera uma grande demanda por serviços de táxi. A greve poderá, portanto, afetar não apenas os taxistas, mas também os visitantes e a própria cidade.

Tendo em vista o futuro, os taxistas esperam discussões construtivas e uma melhor cooperação com a Câmara Municipal. “Queremos apenas poder realizar o nosso trabalho sem obstáculos desnecessários”, disse Hassib. “Esperamos que possamos encontrar rapidamente uma solução que funcione para todos.”

SUBSCRIÇÃO
Artigos relacionados:
DESPACHO