Imprimir amigável, PDF e e-mail
Imagem Pitane

Bruxelas ou Haia: quem determina as regras para os empresários?

Com a aproximação das eleições europeias, é crucial examinar as posições dos partidos políticos. A discussão sobre até que ponto Bruxelas deve impor directivas, regulamentos e decisões é mais actual do que nunca. A questão central é se é desejável mais legislação europeia e regras uniformes ou se a autonomia nacional prevalece.

Partidos como o VVD (membro da Renew Europe) têm uma visão clara sobre esta questão. Líder da lista Malik Azmani sublinha a importância das orientações sobre a legislação. “As directrizes proporcionam a oportunidade de adaptação e flexibilidade nacionais”, disse Azmani numa reunião recente. No entanto, observa também que a implementação destas orientações pode variar amplamente entre os Estados-Membros. “Alguns países implementam directrizes estritamente conforme determinado por Bruxelas, enquanto os Países Baixos acrescentam frequentemente regulamentos adicionais.”

Os Países Baixos são conhecidos pelo seu cumprimento rigoroso e por vezes excessivo das directivas europeias. Um dos presentes numa reunião ilustra isto com uma anedota de um empresário holandês que precisava de nada menos que 32 certificados para uma mesa regulável em altura. “Dentro de uma mesma Europa, produzir a mesma mesa na Alemanha exige apenas 27 certificados”, acrescenta. Isto mostra o paradoxo da regulamentação neerlandesa: um esforço para reduzir os encargos administrativos conduz frequentemente a um aumento.

Um exemplo concreto, segundo um membro do Comité Europeu de Normalização (CEN), uma organização de normalização que elabora normas europeias. O empresário teve que obter muitos certificados para o seu produto, e o não cumprimento de todas as certificações acarreta graves consequências. Este exemplo sublinha como as directrizes europeias uniformes podem degenerar num emaranhado de burocracia devido a interpretações nacionais.

(O texto continua abaixo da foto)
Malik Azmani
Foto: © Pitane Blue - Malik Azmani (VVD)

Azmani enfatiza que a regulamentação excessiva prejudica a posição competitiva das empresas holandesas. “Precisamos pensar nas pequenas empresas e não ir muito longe com a legislação”, diz ele. Ele defende a uniformidade na Europa sem regulamentações nacionais adicionais que sobrecarreguem desnecessariamente as empresas. De acordo com Azmani, menos regulamentação contribuiria, na verdade, para uma posição competitiva mais forte na UE.

Um ponto importante de discussão é a questão da culpa em regulamentações complexas. Azmani afirma que a culpa muitas vezes recai sobre os Países Baixos e não sobre Bruxelas. “Se algo é transfronteiriço, deve ser organizado em Bruxelas, mas os acréscimos nacionais criam uma complexidade desnecessária.” Ele salienta que os regulamentos, que são diretamente vinculativos, poderiam promover a uniformidade dentro da UE sem desvios nacionais.

É bom que todos votem durante as eleições europeias. Os Países Baixos desempenham um papel importante no processo legislativo europeu. O Parlamento Europeu e os Conselhos de Ministros negociam e influenciam as propostas da Comissão Europeia. Azmani sublinha que os Países Baixos devem participar activamente neste processo para influenciar regulamentos e adaptar-se às necessidades nacionais sem aumentar os encargos administrativos.

A discussão sobre o papel de Bruxelas na legislação nacional é complexa e multifacetada. O exemplo do VVD mostra que é necessário um equilíbrio entre a uniformidade europeia e a autonomia nacional. Reduzir os encargos administrativos sem perder a essência das directivas e dos regulamentos continua a ser um desafio. As próximas eleições europeias serão um momento crucial para encontrar este equilíbrio e determinar o futuro do direito europeu.

aliança controversa

A cena política holandesa está actualmente a ser abalada por uma aliança controversa entre o partido liberal VVD e o PVV de extrema-direita de Geert Wilders. Esta cooperação sem precedentes levou a um acordo governamental que foi negociado nos últimos seis meses após a vitória eleitoral de Wilders. Embora não seja o novo Primeiro-Ministro, a sua influência continuará claramente visível na nova coligação. Além do PVV e do VVD, o acordo também inclui o BBB pró-agrário e o novo NSC anticorrupção.

(O texto continua abaixo da foto)
Valérie Hayer
Foto: © Pitane Blue - Valérie Hayer presidente da Renew Europe

Geert Wilders, uma figura polarizadora na política holandesa e europeia, construiu a sua carreira política estimulando o debate sobre a identidade e a segurança nacionais. Embora não ocupe o cargo de Primeiro-Ministro, a sua influência permanece inegável no novo gabinete. É uma coligação que muitos não esperavam e que mudará a dinâmica política nos Países Baixos e possivelmente na Europa.

Valérie Hayer, presidente do grupo liberal Renew Europe no Parlamento Europeu, reagiu fortemente a este desenvolvimento. Em entrevista à BFMTV-RMC no dia 21 de maio, ela enfatizou que o VVD, ao colaborar com o PVV, viola os valores fundamentais do Renew Europe. “É uma opção inaceitável porque eles não respeitam os nossos valores ao entrar nesta aliança”, afirmou Hayer. Ela deixou claro que a 'linha vermelha' do seu grupo é inabalável: “Sempre respeitamos o cordão sanitário contra a extrema direita. Esse é um valor absoluto do nosso grupo e assumirei a responsabilidade após as eleições para garantir que estes valores continuam a ser respeitados.”

Leia também  Eleições: Betsy leva Malik Azmani ao redor do país para a campanha da UE

A tensão dentro da Renew Europe é palpável. Os eurodeputados realizarão uma reunião para discutir o assunto no dia 10 de junho, um dia após as eleições europeias. Hayer ressalta que essa discussão é necessária e está de acordo com o estatuto do grupo. O destino do VVD dentro do Renew Europe parece estar por um fio.

A resposta de Valérie Hayer não é surpreendente dados os valores fundamentais da Renew Europe, que sempre defenderam uma sociedade inclusiva e liberal. A questão que permanece é como os outros membros da Renew Europe irão responder a este desenvolvimento e que medidas irão tomar para proteger os seus valores. Hayer deixou claro que assumirá a responsabilidade de garantir que as normas e valores de seu grupo sejam respeitados.

As próximas eleições europeias são na quinta-feira, 6 de junho. As eleições europeias de 2024 estão a aproximar-se e os líderes partidários dos vários partidos nos Países Baixos e na Bélgica foram anunciados. Com a crescente dinâmica política e o crescente envolvimento dos cidadãos, estas eleições prometem ser particularmente emocionantes. Vejamos mais de perto os principais candidatos e seus partidos.

Nederland

Bas Eickhout, o atual líder do partido GroenLinks em colaboração com o Partido Trabalhista, tem uma longa história na política e é conhecido pelo seu compromisso com o meio ambiente e a sustentabilidade. A sua campanha centra-se na promoção da energia verde e no combate às alterações climáticas, com forte ênfase na justiça social.

Malik Azmani, uma figura proeminente dentro do VVD, está à frente do seu partido nas eleições europeias. O seu foco está no crescimento económico, na segurança e na cooperação europeia. Azmani tem experiência em relações internacionais e defende uma posição forte para os Países Baixos na UE.

(O texto continua abaixo da foto)
caixa promocional
Foto: © Pitane Blue - ônibus promocional Malik Azmani (VVD)

Tom Berendsen representa o CDA e o Partido Popular Europeu. Berendsen, com a sua experiência em assuntos europeus, enfatiza a necessidade de solidariedade e unidade dentro da UE. Ele luta pelo desenvolvimento sustentável e por um setor agrícola robusto.

Ralf Dekker é o líder do Fórum para a Democracia, um partido que frequentemente critica a UE. A campanha de Dekker gira em torno da soberania e da autonomia nacional, com uma atitude cética em relação a uma maior integração europeia.

Gerben-Jan Gerbrandij encabeça a lista do D66, um partido fortemente pró-europeu. Gerbrandij defende mais cooperação europeia, especialmente nas áreas do clima e da digitalização. Ele vê a UE como uma plataforma essencial para a cooperação e inovação internacionais.

Anja Hazekamp, ​​do Partido para os Animais, enfatiza os direitos dos animais e a proteção ambiental. O seu partido luta por uma abordagem sustentável e ética à agricultura e à pesca, e Hazekamp também quer representar estes valores na política europeia.

Adriana Hernández Martínez é a líder partidária do 50PLUS, um partido que foca nos interesses dos idosos. A sua campanha abrange os direitos à pensão, os cuidados de saúde e a segurança social, com especial destaque para o envelhecimento da população da UE.

Sebastiaan Stöteler é o chefe do PVV nestas eleições. O seu partido é conhecido pelas suas posições críticas em relação à imigração e à UE. A Stöteler está comprometida com a soberania nacional e com uma política de imigração rigorosa.

Michiel Hoogeveen, do JA21, enfatiza uma abordagem realista e crítica da UE. O seu partido defende menos interferência europeia e mais controlo nacional, especialmente nas áreas da imigração e da economia.

Kok Chan representa o NL PLAN EU, um partido que luta por reformas na UE. A sua campanha centra-se na transparência e na inovação democrática, com ênfase na participação dos cidadãos.

Leia também  Impostos de importação: resposta às vantagens competitivas injustas dos automóveis chineses

Anja Haga é a líder do partido da União Cristã. Seu partido defende valores como caridade, sustentabilidade e justiça social. Haga também quer ver estes valores refletidos na política europeia.

Bert-Jan Ruissen representa o SGP, um partido baseado em princípios cristãos. Ruissen defende os valores tradicionais e critica uma maior integração europeia.

Sander Smit é o líder partidário do BoerBurgerBeweging (BBB), partido que representa os interesses dos agricultores e moradores rurais. Smit está empenhada no tratamento justo das comunidades agrícolas na UE.

Dorien Rookmaker, do Meer Directe Democratie, defende o fortalecimento da democracia direta na UE. O seu partido luta por mais participação dos cidadãos e transparência na política europeia.

Gerrie Elfrink é o líder do SP, um partido comprometido com a igualdade social e a justiça. Elfrink quer lutar contra a pobreza e a desigualdade na UE e defende uma Europa solidária.

Enviado Wierda representa o vandeRegio, partido que visa representar os interesses das comunidades regionais. Wierda defende mais autonomia regional e atenção às questões locais dentro da UE.

Reinier van Lanschot é o líder do Volt Nederland, um partido pan-europeu que luta por uma UE federal. Van Lanschot sublinha a necessidade de cooperação europeia nas áreas do clima, digitalização e direitos sociais.

Wybren van Haga dirige o BVNL, um partido que critica a UE. Van Haga defende a soberania nacional e uma redução dos poderes europeus.

Dirk Gotink representa o Novo Contrato Social (NSC), um partido que visa reformar a UE para torná-la mais democrática e transparente. Gotink quer mais participação dos cidadãos e menos burocracia.

Matthijs Pontier é o líder do Partido Pirata - Os Verdes. Sua campanha se concentra nos direitos digitais, privacidade e proteção ambiental. Pontier quer um rumo inovador e sustentável para a UE.

Bélgica

Johan Van Overtveldt, do N-VA, é um rosto conhecido na política belga. O seu partido luta por mais autonomia para a Flandres e por uma abordagem crítica em relação à UE.

Wouter Beke representa o CD&V, um partido comprometido com os valores cristãos e a justiça social. Beke defende uma Europa sólida e unida.

Sara Matthieu é a líder partidária do Groen, um partido comprometido com o meio ambiente e a sustentabilidade. Matthieu quer medidas climáticas ambiciosas e uma economia mais verde na UE.

Sophie in 't Veld, do Volt, é uma fervorosa defensora da integração europeia. O seu partido luta por uma UE federal e enfatiza a necessidade de cooperação no domínio dos direitos humanos e da democracia.

Rudi Kennes representa o PVDA, um partido comprometido com o socialismo e a igualdade. Kennes defende uma Europa que coloque os interesses dos trabalhadores e dos menos afortunados em primeiro lugar.

Tom Vandendriessche é o líder do Vlaams Belang, um partido que critica a imigração e a UE. Vandendriessche defende uma política de imigração rigorosa e mais autonomia para Flandres.

Hilde Vautmans representa o Open Vld, um partido liberal que luta por mais liberdade económica e por uma posição forte para a Bélgica dentro da UE.

Bruno Tobback é o líder do Vooruit, um partido que se concentra na social-democracia e na justiça. Tobback defende uma Europa social e solidária.

Marta Barandiy, da Voor U, é uma novata na política belga. O seu partido centra-se na inclusão e nos direitos civis na UE.

Fabrice Van Dorpe representa a DéFI, um partido comprometido com os direitos dos falantes de francês na Bélgica. Van Dorpe defende uma Europa justa e inclusiva.

Denis Verstraeten, do Anticapitalistas, luta por um sistema económico radicalmente diferente dentro da UE. Seu partido defende o fim do capitalismo e o foco na justiça social.

SUBSCRIÇÃO
Artigos relacionados:
InnoTrans