Imprimir amigável, PDF e e-mail
Imagem Pitane

A fraude e as construções duvidosas são uma pedra no sapato das autoridades responsáveis ​​pela aplicação da lei.

A Royal Dutch Transport (KNV) organizou recentemente um webinar em colaboração com a Inspeção do Meio Ambiente Humano e dos Transportes (ILT) e o Fundo de Mobilidade Social (SFM). O objetivo era dar aos participantes uma visão sobre o mundo das inspeções digitais na indústria de táxis. Adeel Mahmood, conselheiro político da KNV e presidente do partido DENK, liderou o webinar e deu uma explicação detalhada dos procedimentos e da legislação envolvida.

Adeel Mahmood abriu o webinar apresentando-se. “Organizamos este webinar para levá-lo ao mundo das inspeções digitais”, começou Mahmood. Ele explicou que o foco do webinar foram as inspeções digitais do Táxi Computadorizado de Bordo (BCT) e o futuro Banco de dados central de táxis (CDT). A próxima transição do Computador de Bordo de Táxis (BCT) para a Base de Dados Central de Táxis (CDT) marca uma mudança importante no mercado de táxis. Um dos aspectos mais notáveis ​​do CDT é a natureza livre de forma do registro de dados. Isto oferece aos motoristas de táxi e aos supervisores novas oportunidades e desafios.

A natureza livre de formulários do CDT significa que o registo de dados é regulamentado de forma menos rigorosa em comparação com o atual BCT. Onde o BCT possui estrutura e forma fixas para registro e armazenamento de dados, o CDT oferece mais flexibilidade. Motoristas e empreendedores podem colaborar com diversos prestadores de serviços de TI que registram e encaminham os dados da forma que melhor se adapta às suas operações comerciais, desde que atendam aos requisitos legais.

No novo sistema, os operadores de táxi colaborarão com um prestador de serviços de TIC que recolhe os dados dos táxis e os encaminha para a base de dados central. Estes dados incluem tempos de condução, tempos de descanso e outras informações relevantes. O CDT recolhe estes dados e liga-os a vários registos, como o Registo Comercial (KVK) e a Agência Nacional de Transportes Rodoviários (RDW).

inspeção

Mahmood apresentou então os palestrantes presentes da ILT e SFM. Estes especialistas informariam os participantes sobre os processos e procedimentos que envolvem as inspeções digitais, incluindo regulamentos e objetivos. Reneé Bosch começou com uma explicação geral dos processos de inspeção digital e da legislação envolvida. “Queremos dar-lhe uma ideia melhor de como conduzimos inspeções digitais e o que queremos alcançar com elas”, afirma Bosch.

Martijn Klaassen, líder da equipa de inspeções digitais e empresariais da ILT, forneceu mais detalhes sobre a transição da BCT para a CDT. Ele destacou os benefícios do CDT, como a recolha de dados em tempo real e a capacidade dos inspectores trabalharem de forma mais rápida e eficiente. “O CDT nos dá a capacidade de visualizar dados imediatamente após o término de um turno, o que significa que as inspeções levam menos tempo”, explicou Klaassen.

Remco Wasser de SFM aprofundou-se nos aspectos práticos das inspeções digitais e nos erros mais comuns encontrados durante essas inspeções. Enfatizou a importância do registo preciso dos tempos de trabalho e descanso e explicou como os empresários podem cumprir os requisitos legais. “É fundamental que você observe o descanso diário nas 24 horas seguintes ao início do plantão para cumprir a legislação”, disse Wasser.

Leia também  CDT: Censys facilita compartilhamento obrigatório de dados para empresas de táxi sem automação

Um dos principais tópicos abordados durante o webinar foi a transição do BCT para o CDT. O CDT, que será introduzido gradualmente a partir de 2025, proporciona uma forma padronizada e centralizada de recolher e analisar dados de táxi. Espera-se que esta alteração conduza a uma supervisão mais eficiente e a menos encargos administrativos para os empresários.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto de : ILT - Alexandra Knipping

O webinar também proporcionou espaço para interação e dúvidas dos participantes. Uma das perguntas era sobre como uso privado de táxis deve ser registrado. Martijn Klaassen esclareceu que existe uma modalidade no BCT que permite o registo de viagens privadas e que é importante utilizar esta opção corretamente.

No final do webinar, Adeel Mahmood agradeceu a todos os palestrantes e participantes pelo seu tempo e atenção. Ele enfatizou que novas perguntas sempre poderão ser feitas através dos canais habituais do KNV. “Esperamos que agora você compreenda melhor os processos de inspeção digital e o que está por vir”, concluiu Mahmood.

Embora o webinar tenha sido um sucesso e tenha fornecido aos participantes informações valiosas sobre o futuro das inspeções digitais na indústria dos táxis, também existem preocupações no setor dos táxis, especialmente no mercado de entrada. A transição para o CDT será um passo importante para um sistema mais eficiente e transparente, que acabará por contribuir para a segurança e fiabilidade do transporte de táxi nos Países Baixos.

jogo de gato e rato

Ainda em um artigo recente em Trouw É evidente que são necessários mais controlos no mercado dos táxis. Os inspetores da Inspeção do Meio Ambiente Humano e dos Transportes (ILT) encontram regularmente violações graves durante as suas inspeções. De acordo com o líder da equipa ILT, Martijn Klaassen, a supervisão é dificultada pelas muitas construções obscuras utilizadas pelas empresas de táxi. “Tornou-se um jogo de gato e rato entre os taxistas e os serviços de fiscalização”, diz Klaassen. Ele observa que o Telegram, um popular serviço de mensagens, desempenha um papel na perpetuação desta situação em ambos os lados.

(O texto continua abaixo da foto)
Foto: © Pitane Blue - Telegram

A liberalização do mercado de táxis levou a um aumento dos problemas. Os inspetores encontram regularmente condutores que violam as regras por não descansarem o suficiente, cometerem fraudes e, por vezes, até consumirem drogas ao volante. Segundo Klaassen, supervisionar os mais de 33.000 mil táxis e mais de 14.500 empresas de táxis é um enorme desafio para a equipa da ILT, especialmente porque grande parte dos 53.000 mil taxistas são trabalhadores independentes e trabalham para plataformas como Bolt e Uber.

Leia também  Concurso: CZ está pressionando operadoras de saúde com taxas baixas

Cerca de 80 por cento do mercado consiste em transportes contratados, como o transporte de idosos, pessoas com deficiência e estudantes. Os 20% restantes são táxis de rua, segmento onde ocorre a maioria das violações. A fiscalização afirma que cerca de três quartos dos taxistas de rua fiscalizados violam as regras, de forma consciente ou não. Essas violações vão desde o não cumprimento dos períodos de descanso obrigatórios até o uso de drogas durante a condução.

A fraude e as construções duvidosas são uma pedra no sapato das autoridades responsáveis ​​pela aplicação da lei. Um fenômeno bem conhecido são as chamadas empresas fracassadas: empresas duvidosas com licença de táxi que recrutam pessoas que precisam de dinheiro rapidamente. A estas pessoas é oferecido um empréstimo de táxi por 500 euros e supostamente tornam-se funcionários da empresa, mas na prática operam de forma totalmente independente. Isso permite que as empresas permitam que um número ilimitado de pessoas dirija com uma licença de táxi.

Pacote de calendário

Em Outubro do ano passado, o FIOD, em colaboração com a ILT, apreendeu 170 táxis pertencentes à mesma empresa de táxis. Assim que as empresas percebem que estão sendo vigiadas, deixam a empresa falir. “É difícil descobrirmos quem está por trás disso, porque as empresas trabalham com apanhadores”, explica Klaassen. Os Katvangers são pagos para registrar uma empresa em seu nome, para que os verdadeiros proprietários permaneçam fora de cena.

A equipe de Klaassen não só realiza inspeções digitais analisando os tempos de trabalho e descanso dos taxistas, mas também visita regularmente empresas de táxi. Isso geralmente acontece se houver suspeitas de violações. Os inspetores são confrontados com diversas formas de comportamento de evitação. Por exemplo, os motoristas de táxi usam o Telegram para avisar uns aos outros no grupo 'Atualização de táxis 24 horas por dia, 7 dias por semana' sobre verificações físicas em Amsterdã.

Além da fraude e do uso de drogas, os inspetores da ILT também observam um aumento na agressão, na intimidação e nas ameaças. Este problema não é exclusivo do mercado de táxis. Uma visita efectuada por Trouw a quatro serviços nacionais de inspecção mostra que as agressões e as ameaças estão a aumentar em vários sectores. Na Autoridade Holandesa para a Segurança dos Alimentos e Produtos de Consumo (NVWA), autoridade de controlo que regista mais casos de agressão, o número de denúncias aumentou de 81 em 2020 para 130 em 2022. No ano passado, foram registadas 125 denúncias, o que se enquadra com o quadro social mais amplo de endurecimento e mais agressão em setores como saúde e transporte público.

SUBSCRIÇÃO
Artigos relacionados:
PACOTE INICIAL