Imprimir amigável, PDF e e-mail
Imagem Pitane

Os requisitos para licitações são rígidos e muitas vezes eliminatórios; as partes que não atendem aos requisitos rigorosos são descartadas.

O mundo dos concursos de transportes é complexo e muitas vezes carregado de ambições que surgem da pena de redatores em nome dos proponentes. Estas ambições são apresentadas para convencer o cliente das qualidades do proponente. O sistema de concurso, destinado a estimular a concorrência e a criar oportunidades iguais para todas as partes, encontra frequentemente problemas na prática. 

Nos últimos anos, as empresas de transportes colocaram-se no mapa com um compromisso social e uma paixão verde, mas muitas destas promessas continuam a ser difíceis de testar na prática. Os critérios de adjudicação, por outro lado, podem ser considerados mais como desejos, e quanto melhor um plano de acção corresponder a esses desejos, mais pontos o proponente receberá.

descarrilou

Existem inúmeros exemplos de projetos de transporte descarrilados. A principal razão é a falta de foco no núcleo do trabalho: transportar grupos-alvo difíceis de combinar, que viajam para um grande número de destinos e que muitas vezes desejam utilizar os serviços oferecidos durante as horas de ponta. É colocada mais qualidade profissional na inscrição no concurso do que na execução dos serviços solicitados. Quão difícil pode ser levar um viajante de A a B no horário solicitado?

Uma olhada na mídia deixa muita coisa clara. As decisões judiciais sobre o Regiotaxi, os erros cometidos pelos municípios nos concursos na província de Utrecht, o fracasso nos concursos da OMM em Utrecht e o transporte de cuidados de saúde deficiente em Haarlem são apenas alguns exemplos. Os funcionários públicos que têm de prestar aconselhamento num concurso enfrentam frequentemente os mesmos problemas. Os conselheiros são responsabilizados pelos erros cometidos pelas transportadoras, mas as próprias transportadoras muitas vezes escapam à punição.

(O texto continua abaixo da foto)
Ilustração: © Pitane Blue - redator

Agora que a electrificação e o envolvimento social já não impressionam porque todos já dominam este truque, a inteligência artificial (IA) parece ser a próxima chave para o sucesso. A IA está presente em tudo, desde campanhas publicitárias até suporte de software e análise de resultados de transporte. Muitas vezes, as operadoras não sabem o que a IA pode fazer pela sua empresa, mas parece boa na sua oferta. E não se esqueça: os redatores obtêm todo o suporte que desejam usando IA.

Muitas promessas e informações enganosas foram tornadas públicas nos últimos 30 anos. Os clientes dificilmente monitoram os resultados e só agem quando a qualidade se torna inaceitável. As crianças continuam à espera da escola, os autocarros não chegam, os viajantes chegam atrasados ​​aos funerais ou às consultas médicas e os vereadores têm de tomar medidas devido a questões da oposição. Nos últimos anos tem havido uma explicação para isso: “falta de pessoal”.

Leia também  A batalha pelo transporte de ônibus na Zelândia já começou: quem aceitará o desafio?

A falta de pessoal é muitas vezes utilizada como desculpa para um mau desempenho, mas esta nunca pode ser a causa raiz dos problemas. As empresas de transporte são obrigadas a garantir pessoal suficiente e devidamente treinado como parte do seu registo. Esta é uma condição fundamental para a prestação dos serviços prometidos. O não cumprimento desta obrigação demonstra falta de planejamento e responsabilidade, e não um problema imprevisto.

para a base

Talvez devêssemos voltar ao básico: transportar um cliente ou estudante numa transportadora local com um motorista que conhece os seus clientes. Este contacto pessoal não pode ser substituído pela tecnologia. Um motorista que também atua como um ouvido atento traz um aspecto social inestimável ao transporte. Talvez um voluntário adicional possa viajar como supervisor, sem que isso prejudique empregos remunerados.

Voltar ao básico significa focar no que realmente importa: transportar clientes pessoalmente e localmente por motoristas que conhecem os seus passageiros. Em vez de depender de empresas de grande escala que muitas vezes não cumprem as suas promessas, podemos olhar para soluções de pequena escala que garantam maior envolvimento e fiabilidade. 

Por exemplo, na região de Brabante, uma transportadora de pequena escala com uma equipa de motoristas permanentes mostrou quão importante é o contacto pessoal. Os motoristas conhecem os seus passageiros pelo nome, estão cientes das suas necessidades específicas e podem responder com flexibilidade a situações inesperadas. A mãe de uma criança deficiente disse-me: “Desde que começámos a viajar com esta transportadora local, sinto-me muito mais tranquila. O motorista sabe exatamente o que meu filho precisa e sempre garante que ele chegue com segurança e pontualidade.”

Leia também  A batalha pelo transporte de ônibus na Zelândia já começou: quem aceitará o desafio?

Outro exemplo pode ser encontrado na aldeia de Olst, onde voluntários trabalham em conjunto com motoristas profissionais para transportar idosos e pessoas com deficiência. A utilização de voluntários como supervisores proporciona uma camada extra de cuidado e atenção, fazendo com que os passageiros se sintam seguros e ouvidos. Uma senhora idosa de Olst diz: “O motorista e o voluntário que me levam ao mercado todas as semanas tornaram-se como uma família para mim. Eles me ajudam com minhas compras e garantem que eu possa conversar ao longo do caminho. Isso torna minha semana muito melhor.”

No transporte de grupos-alvo, lidamos frequentemente com pessoas vulneráveis. O transporte destas pessoas para uma actividade ou um passeio não deve ser perturbado por interesses que nada têm a ver com o seu bem-estar ou com o dos condutores. A pequena escala pode oferecer uma solução aqui. Como isso deve ser resolvido dentro da licitação é um desafio para os redatores das empresas de transporte. 

eliminar

Por fim, um apelo aos clientes como municípios e instituições de saúde. A prática tem demonstrado que os conjuntos de transportes, constituídos por empresas que anteriormente faliram, muitas vezes não oferecem a solução desejada. A readmissão de tais empresas, muitas vezes com um nome diferente ou numa nova parceria, geralmente leva à recorrência dos mesmos problemas. É essencial que os clientes monitorizem rigorosamente a qualidade e a fiabilidade dos concorrentes e garantam que as empresas que fracassaram no passado não tenham novamente as mesmas oportunidades. Esta abordagem não só protege os passageiros, mas também garante um serviço de transporte mais sustentável e fiável.

SUBSCRIÇÃO
Artigos relacionados:
Pacote de calendário